Minha mãe/pai.

Meu nome é Miranda, tenho 19 anos e sou mulher Travesti. Eu sempre tive um grande afeto pela minha mãe que sempre criou três filhos e três netos, mas meu pai nunca na verdade foi um pai, sempre agrediu minha mãe fisicamente/psicologicamente, quando me assumi como gay ele aumentou com o alcool e ficou mais violento, quando me assumi travesti, ele piorou e começou a misturar com drogas, sempre me ameaçava de me expulsar de casa ou me espancar, e ameaçava bater na minha mãe também. Dos trêa filhos, eu sempre fui a mais apegada a minha mãe e sempre a escutei, então sempre soubemos dos problemas uma da outra, uma vez ele foi longe demais e nos ameaçou com a faca na mão, eu conversei com minha mãe, e como sempre, pedi pra gente ir embora, pois mereciamos uma vida melhor, que pessoas como ele não eram saudáveis ao nosso redor, eu sempre sonhei em morar apenas com ela, com a pessoa que mais apoia minha transição, que me ajuda psicologicamente a enfrentar todos os meus dias. Mesmo com medo de tudo, medo da família e tudo que iria acontecer depois, fomos na delegacia denuncia-lo, pra alguns pode ser besteira, mas eu e ela nunca fizemos isso, então foi difícil, íamos passar por problemas pois ele era a renda, mas estávamos dispostos a sacrificar qualquer dinheiro para a nossa felicidade. Fomos na delegacia e realizamos a denúncia, encoragei minha mãe de todas as formas, fizemos juntas e enfrentamos isso juntas. Após 3 dias da denuncia, ele finalmente foi embora, o homem que nunca me amou como filha, que nunca respeitou minha mãe como esposa, que nunca foi nada pra mim, a pessoa que mais me agredia com transfobia, e hoje vivemos livre, sem ele, apenas eu e ela. Meninxs, nunca desistam da sua liberdade, as vezes pode demorar dias, meses, ou até 19 anos, como foi a minha, mas mesmo assim, nunca desisti, eu não me acho uma pessoa forte, mas eu busco um apoio, uma força, nas pessoas que eu amo, façam isso.

Quero Contar!