Não achava errada amar sendo do mesmo sexo ou não

Sou negra, lésbica e tenho dislexia então o conjunto completo. Deste de pequena já sabia sobre o que queria e aceitei a mim mesmo, não achava errada amar sendo do mesmo sexo ou não. Passei minha infância sendo a garota macho dentro do colégio, apelidos recebia e sempre uma piada mas sempre era uma pessoa feliz por causa do meu pai. Virei uma menina solitária por não me adaptar pelas conversas de meninas então fiz amigos meninos que mesmo sendo heterossexualidade me protegeram quando mexiam comigo, sentir segura mesmo que quando eles não estavam me machucavam psicologicamente. Quando chegava em casa era muita dor psicológica pois minha mãe sabia que eu era pelas minhas opções de brincadeiras e jeito de vestir, tentou me mudar mais como eu era decidida nunca mudei e muitas brigas acontecia. A cada dia minha fuga era o colégio já que ela me proibia de ir para casa de amigos e então sem amigos ficava em casa sozinha e com uma irmã nada boa comigo, família católica e complicada em reações sobre sexualidade me afasta dela e comecei me apoia nos meus amigos da escola. Ao tempo que crescia me aceitado ainda mais por dentro e sendo querida pelas crianças da família aonde se tornaram meu ponto seguro junto com o meu pai, difícil era tá com primas e primos por sempre ouvir que era errado e achavam nojento meninas gosta de meninas e meninos gosta de meninos. Então o mundo virtual entrou na minha vida aos 15 anos e ai abrir minha mente para tudo e conheci pessoas novas, apaixonei pela primeira paixão e resolvi entra  mas era tudo em segredo. Foi o que me fez parar de me corta e não fazer coisas contra meu corpo, só queria viver e a cada dia me sufocava mais esta em uma família que nunca me aceitou.

Todos falavam o por que não estava a namora, falava que era por causa que queria ter minhas coisas e estudo mas na verdade não falava pois sabia que eu e somente eu deveria me aceita. Aos meus 16 anos terminei por não pode fica muito tempo com ela, ela foi embora em uma viagem e eu fiquei aqui. Voltou meu sufoco mas no mundo virtual me fazia respirar, fiquei sem comer por dias e noites, cortado o cabelo então resolvi me apegar nas minhas artes. Era a forma de agradar minha mãe e olhar se ela iria me ver com outros olhos mas nada aconteceu e sim piorou. Cada dia estava sufocante e minha mente ficava louca por não pode ter amigos pessoalmente e nem sair, meu erro foi deixa ela calma demais e ai cair quando menos esperava. Era namoros terminados pela mesma coisa de não pode sair e está junto, entrei na faculdade e foi um refugio até passava o dia todo para não volta para casa e ter o psicológico arruinado. Apanhei sempre deste de pequena da minha mãe por qualquer coisa mas na verdade era por que eu gostava de meninas, minha irmã era a perfeição para minha mãe e eu era só o errado para ela e apanhei até quando não fazia nada e castigo vários. Entrei na faculdade e fiz amizade com meninos de novo que me protegeram mesmo sabendo quem eu realmente era, levava indiferença pelas meninas que sabiam e era a mais sem dar arrumada pois para mim nunca quis me arruma mas era por que as roupas e tudo era compradas pela minha mãe. Minha faculdade era de design e minha mãe sempre me batia e falava que era faculdade de lgbt e que não gostava só me deixou fazer por ter dislexia, frente de todos e da família ela fingir bem já meu pai era meu protetor e meu apoiador mesmo não falando.

Perdi empregos na faculdade e estágios por minha mãe falar que era lgbt, sem condições e sem amigos fiquei. Parei de respirar, desenha, pintar, dança e de se comunica com as pessoas aonde vivia no quarto sempre. Fiquei doente e afetou na faculdade, poderia ter me matado mas toda vez chorava e pensava que morrer não era por mim e sim pela minha mãe então desistia. Então fui ao Ndesign de Curitiba que ganhei de graça e briguei muito com ela para ir e pode respira então meu pai estava com câncer, foi o motivo que fez ele enjoa minha mãe para deixa eu ir pois sabia que iria longo morrer. Me sentir livre e voltei a respira por 7 dias. Voltei e meu pai piorava cada dia mais e meu tcc estava a chega perto, lutava a cada respiro e sufoco da minha mãe a termina a faculdade então o coordenador mandou eu desistir do curso e poderia ter desistido mas continuei. Um professor que foi meu orientador viu como estava destruída por dentro e resolveu fazer um artigo a partir do meu projeto, tirei 7 e hoje sou muito amiga dele e da família que admiro. Totalmente sozinha com um diploma e com oportunidades de empregos como tv atalaia, Curitiba, google entre outros não aceitos por causa da minha mãe entrei em depressão, senti que minha família não era mais minha família pois ninguém me ajudava e me dava a mão. Meu mundo foi caído pois o único que poderia me ajuda estava a morre e não pude está do lado dele, meu pai morreu no dia que recebi o diploma. Toda vez que pego o diploma me lembro dele e choro pois ele se foi sabendo que tinha conseguindo sendo que minha só se formou depois que ele morreu, ele foi forte por mim aonde ele sabia que era meu inspirado. Ele não me julgou por não está do lado dele quando morreu ou de não cuida dele por que eu queria lembra dele sorrido e não doente com câncer, só tinha ele meu ponto seguro na família toda. Nem o mundo virtual me ajudava mais e resolvi fazer algo que ninguém esperava de mim uma menina calada e na dela, não eu não me matei pois a vida é a melhor coisa a ser vivida, sair de casa com uma mochila e roupas básicas. Sair falando que iria encontra com o professor para resolve as correções do tcc, sem nada a me deixa fica que era somente meu pai que impediu de fazer isso antes. Juntei uma grana vendendo revistas de quadrinhos antigas e comprei passagem para são Paulo, sair da faculdade ate o aeroporto certa do que queria um tempo a respirar e fazer minha família pensa o que estavam fazendo comigo.

Um detalhe é que eu era da conde do Novo mas deixei por causa da minha mãe, meu primeiro evento em Curitiba como só uma pessoa comum me fez consegui ser da conde do Novo kkkkkk engraçado né? As sortes que tiver e não pude pela minha mãe. Então voltado na fugar louca sem ninguém sabe pois queria dar o choque de realidade para eles, conseguir chega em são Paulo tendo como companhia umas velhinhas que me ajudaram. Fui e fiquei em uma pousada legal por semanas sem redes sociais sem nada, ai quando estava certa que ninguém mais iria escolhe por mim por quem sou e queria ser respeitada estava forte. Abrir um Hotmail e uma das meninas da conde se comunicou e falei com meu primo e tios, séria a hora de volta e minha vó pagou a passagem para mim assim voltado. Passei antes dois dias no aeroporto por não ter dinheiro mais para a pousada, achei pessoas legais a me dar comida e até o segurança me ajudou.

Voltei forte e firme nas minhas escolhas , sabendo as consequências e bom aqui estou e minha família não é minha família. Ainda continuam mais agora eu falo e tenho voz, sair da casa da minha mãe e não falo direito com ela pois foi escolha dela não me aceita como sou mas minha vó não sabe da minha sexualidade. Eh como estou? Feliz , saudável da mente, fazendo projetos mesmo sem emprego e dormindo no cama sofá da minha vó. Tenho ar a respirar e minha mãe apoiado minha irmã e sem dinheiro estou mas aprendi que se me aceite, sorria , chore e seja quem quiser ser. Ah mais por que ainda não assumiu? Kkkkkkkk ta vontade de grita e falar tá mas ai morar na rua não é legal kkkkkkkkk. Indico para aqueles que ainda não assumiu e não tem emprego e acha que sua família não vai curti, se guarde para si e se aceite e quando tiver emprego pode assumi e de seu lugar aonde pode ser quem é.

Ser lésbica, negra e ter dislexia é foda e incrível que mesmo com as dificuldades me mostrou que sou forte e agora ninguém me impedi de seguir em frente, não falam mais nada quando quero sair e sim ainda tenho que arruma amigos kkkkkkk mas longo for conseguir. Viva a vida mesmo com as dificuldades no final estamos a cresce e hoje vejo que somos sortudos, termos pessoas lutado pelos lgbt que ainda estão sem pode lutar e mais tarde não vai ter medo de assumi nada. Bom se tiver algum erro sou dislexia tá kkkk, ria de seus problemas pois é tão bom sorrir mesmo triste.  Como estrelas somos todos especiais então não se preocupe ah alguém por voce, como ah meu pai no céu feliz por eu está conseguido lutar e for no final agradecer por ele ficar até me forma aqui na terra para assegurar que iria me forma mesmo kkkkk. Realmente meu pai é meu herói e sempre vai ser, sou feliz por ele sempre me ensina a ser feliz mesmo sofrendo.

Quero Contar!